Depois da CNH, governo adia adoção da placa Mercosul

  • Depois da CNH, governo adia adoção da placa Mercosul

    Mudança da identificação veicular era alvo de críticas de políticos e despachantes.

    Dois dias após revogar a resolução que exigia o curso e a prova para a renovação da CNH, o governo decidiu também suspender por 60 dias a Resolução 729/2018, que estabelece a adoção das placas de veículos com padrão dos países do Mercosul.

    A medida fora publicada no último dia 8 de março no Diário Oficial da União pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e define que a mudança começaria em 1.º de setembro deste ano.

    A decisão de suspender a determinação partiu do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) após pressão de fabricantes de placas e despachantes no país. O prazo ainda pode ser prorrogado por mais 60 dias para que um grupo de trabalho instituído pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) finalize os estudos e as análises a respeito da resolução. Porém, também pode ser antecipado caso este grupo chega a uma conclusão antes do prazo determinado.

    O presidente do Denatran, Maurício José Alves Pereira, tem feito reuniões com parlamentares de diferentes estados, como Mato Grosso do Sul, Rondônia e Minas Gerais, para tratar do assunto e ouvir as inquietações.

    Os políticos alegam que o novo padrão prejudicaria os fabricantes de placas veiculares, que não têm a tecnologia necessária para se adequar às novas regras. Eles defendem que a substituição poderá gerar mais gastos aos proprietários de veículos e ainda denunciam que a mudança irá beneficiar apenas duas empresas multinacionais, uma holandesa e outra alemã, na fabricação das novas placas, projetando lucros de até R$ 18 bilhões com a substituição de toda a frota nacional.

    (Fonte: Fetcesp)