Você sabia que em estados, como RS, MT, MS, RJ, TO, PA, PI, PB e outros, a AET CONTINUA SENDO CONCEDIDA APENAS NO MODO PAPEL?

  • Você sabia que em estados, como RS, MT, MS, RJ, TO, PA, PI, PB e outros, a AET CONTINUA SENDO CONCEDIDA APENAS NO MODO PAPEL?

    Mas por que será que esses estados ainda não digitalizaram ou informatizaram os serviços de concessão de AET, que traria redução de custos para os estados e economia para as transportadoras, aumento da produtividade e redução de custo para toda a cadeia?

    A primeira razão, óbvia, é porque os DERs desses estados não querem que o sistema seja digitalizado.

    A segunda é porque os sindicatos que representam as empresas de transporte desses estados, em sua grande maioria, desconhecem o assunto e não pressionam politicamente os governos locais.

    A terceira é porque as transportadoras desses estados ou que operam nesses estados até querem, mas nada fazem para mudar essa situação.

    Você deve estar se perguntando, mas por que “cargas d’água” esses DER’s não querem a digitalização ou informatização dos serviços de concessão de AET, que traria redução de custos para os órgãos e transportadoras?

    A principal alegação é a de falta de recursos. Mas isso é conversa fiada.

    Os burocratas dos DERs não querem a digitalização simplesmente porque pessoalmente não vão ganhar nada com isso, porque tem pouca familiaridade com a tecnologia e esse negócio de transformação digital, porque acham que vão perder poder, porque esse negócio daria algum trabalho inicial e talvez, principalmente, porque não tem nenhum sindicato ou grande empresa, ou deputado, ou secretário de estado, ou governador, pedindo ou exigindo essa providência deles. Então convenhamos, nessa condição, por que eles fariam alguma coisa? Por que mexer em time que está ganhando? Arrumar sarna para se coçar?

    Mas, os sindicatos porque eles não querem ou pelo menos nada fazem que mostre que querem a digitalização dos serviços de concessão de AET?

    Por várias razões. Entre as principais, o fato de que, regra geral, embora a obtenção de AET represente custos significativos, o presidente do Sindicato tem pouca ou nenhuma familiaridade com esse assunto e não considera importante incluí-lo entre as pautas da associação de classe. Outra é que esse assunto é considerado uma questão menor. Presidentes de empresas e de sindicatos gostam de assuntos luminosos como reforma trabalhista, reforma tributária, desoneração da folha de pagamento, entre outros.

    Por fim, e as transportadoras, porque não querem ou porque nada fazem para pressionar os DER’s e seus sindicatos a informatizarem a concessão de AET?

    Porque, como dito acima os presidentes de empresa não acham essa questão relevante. Muitos nunca ouviram falar de AET, seja porque os veículos que compõem a frota da empresa não são obrigados ao porte de AET, seja porque esse assunto fica restrito às áreas operacionais e, os profissionais dessa área, diga-se de passagem, também não costumam mostrar nenhum interesse na digitalização desses sistemas. Para eles é muito confortável que esse serviço seja terceirizado. Se algo der errado a culpa é sempre do despachante.

    Pandemia

    É importante salientar que nem mesmo a pandemia do Coronavírus que obrigou o fechamento dos DER’s e ao isolamento social, alterou o quadro descrito acima. O que não deve surpreender a ninguém.

    Afinal de contas se nenhum dos setores afetados consideram a falta de digitalização da concessão de AET’s um problema, por que poder-se-ia esperar algo diferente?

    Fonte: Redação da Logispesa – SP