Apesar de momento delicado, Anfavea aponta para o apoio à cadeia de fornecedores Em solidariedade aos seus fornecedores, a indústria automotiva do Brasil deve promover uma pauta em defesa desse mercado. O cenário atual aponta para problemas internos do país, exacerbados pela pandemia e pela guerra na Ucrânia, atingindo a capacidade de entrega de produtos do setor e sua capacidade competitiva para exportações. A Anfavea, entidade que representa o setor, deu posse nesta segunda-feira (2) a uma nova diretoria para o triênio até 2025, defendendo o setor industrial, mas sem dar detalhes sobre as propostas. O setor tem capacidade de produzir 4,5 milhões de veículos por ano, mas está com mais de 50% deste volume ocioso desde 2020. A indústria tem sofrido uma crise de fornecimento de componentes automotivos enquanto tecnologias como eletrificação, direção autônoma e novas formas de consumo de veículos têm alterado o panorama global de investimentos. “As novas rotas tecnológicas e a descarbonização têm gerado um grande desafio. O Brasil tem tecnologia de ponta, mas vamos continuar tendo daqui dois anos?”, disse o novo presidente da Anfavea, Márcio de Lima Leite, em apresentação a jornalistas. Fonte: Frota&Cia